segunda-feira, 9 de julho de 2012

Sobre o Espetacular Homem Aranha...

Participação minha, do quadrinista Vitor Cafaggi e da escritora Cleide Fernandes no jornal Estado de Minas sobre novo filme do Homem-Aranha.
Super-herói na BerlindaFãs especializados em quadrinhos se dividem em relação ao novo filme do Homem-Aranha. Só os atores Andrew Garfield e Emma Stone conseguem escapar da crítica rigorosa dos aficionados


Carolina Braga

Publicação: 09/07/2012 04:00

Ana Carolina Cunha e Cleide Fernandes, da Casa dos Quadrinhos, ficaram decepcionadas com O espetacular Homem-Aranha
Ainda que os números da estreia de O espetacular Homem-Aranha sejam expressivos – lucro de US$ 140 milhões em seis dias –, o chamado reboot da trama de Peter Parker, dirigido por Marc Webb, não tem impactado tanto quanto a primeira trilogia do super-herói protagonizada por Tobey Maguire. Na verdade, o que marca a produção estrelada por Andrew Garfield e Emma Stone é o racha na opinião de fãs, principalmente aqueles especializados em quadrinhos.

“Achei mediano. O filme tem menos detalhes para atrair os fãs e mais para o grande público”, observa Ana Carolina Cunha, mestre em HQ pela Universidade Federal de Minas Gerais, funcionária e aluna da Casa dos Quadrinhos de Belo Horizonte. “Tentaram fazer uma história mais densa, pautada nos dramas psicológicos do personagem, mas não funcionou”, completa a bibliotecária Cleide Fernandes, também colaboradora da escola especializada mineira.

Como quase tudo o que envolve personagens do naipe de Homem-Aranha, as adaptações misturam tantos elementos dos quadrinhos que, de fato, nunca alcançam unanimidade. Se isso já se dava com a trilogia, agora a tendência se reforça com novos atores e a volta da trama às origens. “Gostei bastante. O filme tem estrutura de roteiro muito parecida com a do primeiro da série, além de elementos do segundo longa. Mas a grande vantagem é o elenco. Andrew está espetacular: ele é o Peter Parker. Emma também está bem, essa caracterização conta muito”, analisa o desenhista Vitor Cafaggi.

Há um ponto em comum nas opiniões de gente especializada em HQ: a caracterização de Emma Stone como Gwen Stacy. “Parece que a tiraram dos quadrinhos e levaram para a tela. O visual é muito parecido, até os figurinos”, surpreende-se Cafaggi.

Para o quadrinista, o Peter Parker de Andrew Garfield também é muito parecido com a caracterização dada pelo desenhista Steve Ditko, em 1962. “Ele era bem magrelinho, com o cabelo arrepiado, sobrancelha grossa. Na primeira trilogia, toda vez em que ele tirava a máscara eu me incomodava. No novo filme isso não ocorreu, pois o Andrew é muito parecido com o personagem”, diz Vitor.

Está aí uma diferença fundamental entre a HQ e o filme: na tela, a todo momento Peter Parker mostra sua identidade. “Isso me irritou, porque a questão do herói é justamente esconder quem é. Nesse filme, ele revela para todo mundo que é o Homem-Aranha. Isso esvazia um pouco”, critica Cleide Fernandes. “Esse recurso do cinema permite ao ator aparecer mais. Dizem que a máscara limita muito a visibilidade deles. Acho que a personalidade do novo Peter Parker também é mais fiel, ele não ficou tão bobão. Está mais destemido”, observa Caffagi. Eis outra controvérsia na guerra HQ versus cinema.

 “O Peter Parker é nerd, mas isso ficou falho. É mais um adolescente normal, incompreendido, que está aquém da imagem clássica do personagem”, afirma Ana Carolina Cunha. Para ela, mais grave que Peter Parker, a mancada de O espetacular Homem-Aranha é a caracterização do vilão Doutor Connors/ Lagarto. “Nos quadrinhos, ele só fica mau quando vira Lagarto. Essa dualidade não está clara no filme. Virou um personagem obcecado por ciência, por melhorar a espécie humana”, reclama a fã.

REPETECO Autor das tirinhas Puny Parker, inspiradas na infância do herói, Vitor Cafaggi é tão aficionado em Homem-Aranha que já viu o novo filme duas vezes – em 3D e na versão convencional. A tecnologia, um dos diferenciais do longa recém-lançado, não o empolgou. “Gostei mais do 2D. As cores ficaram mais vivas e dá para você entender os movimentos do Homem-Aranha”, compara Vitor.

Para Ana Carolina, o formato 3D não conseguiu agregar emoção à ação. “Achei as cenas fracas. Não dá empolgação vê-lo pulando de prédio em prédio. Não gostei dos momentos em que parecemos estar nos olhos dele. Tive a sensação de jogar videogame com o filme”, criticou ela.


CONFIRA
Pegando carona na estreia de O espetacular Homem-Aranha, ficará em cartaz, entre os dias 12 e 30, a exposição Heróis dos quadrinhos, parceria da Casa dos Quadrinhos com o Diamond Mall. Estarão à mostra esculturas e ilustrações de artistas mineiros em homenagem a seus heróis prediletos. O público que for ao shopping também poderá conferir revistas raras de colecionadores e o acervo da Casa dos Quadrinhos. Serão oferecidas oficinas gratuitas de quadrinhos para crianças de 7 a 12 anos. Informações: (31) 3330-8633. 


RESUMO DA OBRA


As tirinhas Puny Parker, sobre a infância de Peter Parker, projetaram a carreira do desenhista mineiro Vitor Cafaggi. “Fiz como brincadeira, um treino para os quadrinhos. Hoje, desenho para grandes publicações”, conta ele. Em 140 tiras, Vitor conta uma história inteira reunindo vários elementos das tramas originais desenhadas por Stan Lee, Steve Ditko e John Romita. O trabalho está disponível em www.punyparker.blogspot.com.
Fonte: Jornal Estado de Minas em 09/07/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário